| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

REVISTA FORMAS & MEIOS
Desde: 03/02/2005      Publicadas: 754      Atualização: 31/10/2005

Capa |  ARTES PLÁSTICAS  |  ARTESANIA  |  ATUALIDADES  |  CARANGO  |  CHARGE  |  CINEMA ANTIGO  |  CLÁSSICA  |  CONTANDO HISTÓRIAS  |  CRÉDITOS  |  CULTURA  |  DEAD ROCK  |  DISCOS / SHOWS  |  EDITORIAL  |  EXPOSIÇÕES  |  F&M FEMININA  |  F&M WORLD  |  FILMES EM CARTAZ  |  FOTOTECA  |  GALERIA VISCONDE  |  GIGANTES DO JAZZ  |  IMPRENSA  |  LITERATURA  |  MAURÍCIO CARDIM  |  MPB  |  MUSEUS  |  PARCERIAS  |  PERSONALIDADES  |  PINTORES  |  PORTFÓLIO  |  PROJETOS  |  QUEM SOMOS  |  RÁDIO  |  REDAÇÃO  |  SAÚDE  |  SPcentro  |  TEATRO  |  TELEVISÃO  |  TENDÊNCIAS  |  TVZONA


 CONTANDO HISTÓRIAS

  19/09/2005
  0 comentário(s)


CIDADE DE SÃO PAULO: 451 ANOS DE DOCES MEMÓRIAS

"A POPULAÇÃO DESCONFIAVA DE QUE AS LUZES PODERIAM CAUSAR MAL À VISTA. COM MEDO DE INCÊNDIOS, E PARA VEREM AS ESTRELAS, ENCAMINHAVAM MILHARES DE CARTAS À LIGHT SOLICITANDO O DESLIGAMENTO DOS POSTES À NOITE".
O ano de 2004 foi todo dedicado às comemorações dos 450 anos da cidade de São Paulo. Pipocavam comemorações em todas regiões. O tempo não pára. E já estamos comemorando o 451º aniversário da capital paulista e, nada melhor que um pequeno passeio por seu passado. A célula-mãe da grande metrópole teve início no Pátio do Colégio em 1554, onde os jesuítas ergueram as paredes de pau-a-pique da primeira igreja e colégio de São Paulo de Piratininga, que fora construída no final do século XVII, e demolida em 1897 após o desabamento de seu telhado. Renasceu tal como era para preservar a imagem do berço da cidade que, de um simples vilarejo, tornaria-se a 4ª maior cidade do mundo. Porém, não é essa colossal metrópole que inspira saudosos moradores de décadas passadas que cantam-na em prosas e versos. Suas lembranças são valiosas fontes de freqüentes escritos sobre à cidade que até os anos 1800 era ainda um pouco a cidade dos jesuítas e da vila dos bandeirantes. Em 1880, com dois quilômetros quadrados de espaço urbanizados, atinge o porte de uma cidade média: 40 mil habitantes. Vinte anos depois, no limiar do século XX, 240 mil pessoas vivem na quase metrópole, onde já começa-se registrar os primeiros acidentes de trânsito. As formas de casar e constituir família, também de descasar, os padrões de escolha do cônjuge, a corte amorosa, os agenciadores, o dote, o processo nupcial, criação dos filhos, as dificuldades de convívio, as práticas sexuais, a violência doméstica, tudo passariam por profundas mudanças.

A TRANSFORMAÇÃO
No início de 1900, a cidade mantinha ruas estreitas, e a maioria iluminadas a gás e cortada por pequenos bondes a burro. São Paulo foi assim até 7 de maio de 1900, quando o primeiro bonde elétrico partiu do largo de São Bento até a Barão de Limeira e causou espanto na multidão que foi vê-lo passar. Depois desse dia, a cidade nunca mais foi a mesma: os bondes aumentaram o seu tamanho, a energia elétrica iluminou o resto das ruas, agilizou a indústria e criou novos hábitos na população. Toda essa transformação na fisionomia de São Paulo, que foi se dando ao longo destes anos contenta muitos, e desagrada outros. A luz elétrica trouxe consigo a desnaturalização do tempo, eliminando a diferença entre o dia e a noite. Muitos confundiam -se. São Paulo era uma cidade que se recolhia cedo para escapar do escuro. Mas a partir de 1900 começou a conhecer a vida noturna com os bares e cabarés, numa boêmia diferente dos antigos saraus de poesias nas casas das moças. De fato, antes de a luz elétrica chegar a São Paulo, foi preciso convencer muita gente de que as lampadas não faziam mal à vista nem ofereciam perigo de incêndio nas casas. Quando a Light instalou a iluminação pública no centro, chegou a receber milhares de cartas pedindo para que desligasse os postes durante a madrugada, para que as pessoas pudessem ver as estrelas. Em 1901- a cidade consumia 7.500 KW diários de energia elétrica. E em 1903 tinha entre cinemas e casas de diversões um total de 46, e 30 lojas que vendiam gramofones. Apesar do aparente progresso, a cidade era frágil, seus habitantes idem pois não passaram por doenças, mesmo sendo uma cidade deficitária em saneamento básico. Foi no período de 15 de outubro a 19 de dezembro que a cidade mostrou toda fragilidade quanto seu sistema de saúde. Foi tomada por uma epidêmia de influenza que ficou conhecida como gripe espanhola; atingiu mais de 350 mil pessoas, um terço da população. Foram 66 dias onde a doença e a morte revelaram-se novas facetas de uma cidade que busca ajustar sua vida nos quadros da modernidade.

CIDADE DE SÃO PAULO: 451 ANOS DE DOCES MEMÓRIASICONOGRAFIA DO CENTRO

Ladeira da Memória: entrada estratégica da cidade, servia de paradas de tropeiros para dar água aos cavalos. Localizado no centro, este é o mais antigo monumento, o Obelisco do Piques, como era chamado em 1814. Por ocasião do Centenário da Independência, em 1922, o local foi reurbanizado pelo arquiteto Victor Dubugras, ganhou estilo art nouveau, com escadas em granito. Até o ano de 1919, ou 20, ao redor da ladeira ainda existiam muitas casas. Atualmente, o obelisco encontra-se em estado de pré-abandono.

Praça João Mendes:
São várias as denominações desta praça dentre elas: Pátio de São Gonçalo, Largo da Cadeia, Largo do Tesouro, Largo do Teatro e Largo Municipal. Mas tudo indica que a mais antiga é a de São Gonçalo, dada a existência do templo que data de 1757. No ano de 1784, fora erguída uma construção para funcionamento do Paço Municipal e da cadeia, daí os outros nomes. Ali fora inaugurado oTeatro São José, em 4 de setembro de 1864, mas um grande incêndio o destruiu, e, com o ocorrido, o local passaou-se a chamar Largo do Teatro. Lá permanecia localizado um grande sobrado que pertencia ao jurisconsulto e abolicionista, Dr. João Mendes de Almeida, que justamente empresta seu nome à praça.
Convento de São Francisco:
A 17 de setembro de 1647, em terreno doado pela Câmara da Vila de São Paulo, foi inaugurado o convento de São Francisco, da ordem dos frades menores. Em 1683 decidiu-se pela demolição da pequena igreja e a construção de uma maior, reinaugurada como Imaculada Conceição. Com paredes em taipas, a igreja vem resistindo à ação do tempo e da poluição do centro da cidade. Ao visitá-la nota-se a imediata beleza de seus altares e painéis todos folheados a ouro 23 quilates. No altar da capela da Imaculada Conceição está até hoje os retábulos [painéis] originais, provavelmente de Luiz Rodrigues Lisboa, que data de 1740, e é uma das mais importantes obras do renascimento barroco religioso brasileiro. O jazigo da igreja é uma sala bem visitada, com 24 túmulos, sendo que um deles contém os restos mortais do brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, que pertenceu à ordem.
Estação e Jardim da Luz:
A Estação da Luz foi inteiramente trazida da Inglaterra e montada peça por peça, e próxima ao bairro nobre dos Campos Elíseos, o primeiro bairro da cidade onde foram morar as famílias de grandes posses. O jardim com suas lâmpadas de arco e seu paisagismo francês, era um bucólico pedaço de mundo onde passeavam cavalheiros de polainas e senhoras vestidas da cabeça aos pés por grifes de Paris. Em 25 de janeiro de 2004, o governador Geraldo Alckmin, reinaugurou a velha estação após passar por reformas internas e externas.
Largo do Paissandu:
Com três denominações, Praça das Alagoas, Tanque do Zuniga, 1841-, e em 1868, já na planta de Carlos Rath, figura como Largo do Paisandu. Estabelecimentos tradicionais como o restaurante Carlino - 1881- 2002 -, a Padaria Central, e o atelier de coletes das irmãs Russo davam ares importantes ao largo. Mas, talvez tenha sido o Rinque de patinação, mais tarde transformado em Moulin Rouge-, que tenha representado algo de mais importante para essa região. Seu estilo café-concerto era inspirado nos cafés parisienses. Um dos personagens mais conhecidos, Garibaldi, um italiano de longas barbas, paciente e amigo de todos, transportava em seu táxi os freqüentadores noturnos da boêmia paulistana, principalmente, os bêbados e os "casais" formados em momentos. Com suas bancas de flaores, cinemas, restaurantes da moda, o paissandu reafirmava ser ponto de encontro obrigatório. Nenhum lugar gerava tanto burburinho e circulação intensa. Portanto, pessoas e veículos, deram desde o século 19 um sentido a este Largo. Tanto que o poeta-escritor Mário de Andrade, em seu poema-testamento, cita-o como local escolhido para enterrar a parte mais enigmática de seu corpo.
Avenida São João:
Descida do Açu, Rua do Zuniga, Rua do Tanque do Zuniga, a São João, naquela época já era uma artéria movimentada que ligava o centro aos Campos Elíseos, e a rua São Bento e 15 de Novembro, as mais badaladas misturava o barulho do bonde ao das confeitarias finas. A vida moderna tinha chegado para ficar. A verdadeira vocação à metrópole é algo que vem de berço. A cidade que não pára de crescer, nos faz acreditar que a cada momento, em qualquer ponto da cidade, parece que todos acabamos de chegar. A São João foi o celeiro da boêmia paulistana; cinemas, boates e bares etc. A avenida é uma via de importância ímpar desde os primórdios da cidade.
Rua São Bento:
A São Paulo de 1900 marcou pela elegância, os bondinhos e suas casas comerciais que tornariam-se tradicionais. Os barões do café habitavam à região, e suas esposas freqüentavam a antiga rua do Príncipe - atual XV de novembro, Direita e a própria São Bento. Boutiques, confeitarias e o Mappin Store eram os locais preferidos dos grã-finos. A rua que já se chamou Martin Afonso, teve como morador ilustre Amador Bueno da Veiga, provedor da capitânia e aclamado rei dos Paulistas.
O Edifício Martinelli:
Quando desembarcou no porto de Santos, em 1889, o imigrante Giuseppe Martinelli trazia, para iniciar uma das maiores fortunas do Brasil na República Velha, um diploma de Belas-Artes e a pratica comerciante, prática que a usou para ficar rico - dono de bancos, estaleiros, companhia de navegação, construtora, minas de carvão e ferro e salinas. O primeiro arranha-céu da cidade , o Martinelli, foi construído na década de 20 - 1925 e 1929, com dois mil metros quadrados, na esquina da avenida São João com a São Bento, e a seu tempo o maior edifício da América Latina. O prédio tem 26 andares normais, e mais três no terraço - chamados de "casa do comendador", e um subsolo e um total de 48.438,41 m2 de área construída em alvenaria de tijolos sobre estrutura de concreto. Para construir o prédio foram utilizados materiais importados, como mármore de Carrara e o cimento rosado da Suécia. Martinelli cuidou desde o traçado original à fiscalização da obra. De ponto sofisticado nos anos 30, entrou em decadência no início dos anos 50 e transformou-se em cortiço. Em 1977 e 79 foi restaurado.
Avenida Paulista:
Uma via aristocrática dos barões do café, do comércio e da indústria, cheia de mansões de estilos diversos e com um "ar puro de montanha" - 900 metros de altitude. Antes de ser a Avenida Paulista, fora uma trilha de boiadeiros e Rua da Real Grandeza. Os terrenos onde fica a avenida foram adqüiridos em 1890 pelo engenheiro uruguaio Joaquim Eugênio de Lima, para um empreendimento imobiliário. Foi por iniciativa do engenheiro Eugênio de Lima que nasceu em 8 de dezembro de 1891 a mais importante via pública da cidade. Em 1916, era um boulevard admirado pelos visitantes. Manifestaçãoes como o corso - princípio do carnaval paulistano-, corrida de automóveis realazavam-se lá. Atualmente, greves, parada gay, e a passagem de ano novo tem a avenida como palco. Porém, até 1940, predominavam mansões de ricos negociante, imigrantes e fazendeiros de café. Apenas a Casa das Rosas [1935] e a Escola Rodrigues Alves - 1919, e o Instituto Pasteur de 1903 permanecem. O nome da avenida foi uma justa homenagem aos nativos e os que aqui residem. Em constante mutação, sua história é inspirada em grandes avenidas européias.
Viaduto do Chá:
O primeiro Viaduto do Chá foi construído pelo litógrafo franco-brasileiro Jules Martin, dono de oficina na Rua São Bento. A construção ligava o centro - o morro do Chá -, aos outros bairros, e foi Aprovada em 1877. Logo surgiram as primeiras dificuldades, a proprietária discordava da demolição inteira ou parcial do sobrado que possuia na Rua Nova de São José, atual Líbero Badaró. As obras iniciaram-se apenas em 1888 -devido demanda judicial-, e fora comemorada com uma grande festa. Ali localiza-se o solar da baronesa de Tatuí, que de tão grande, suas paredes confrontavam com a ladeira do Açu, Rua Formosa, e para o atalho que hoje chama-se Rua Direita. Somente em 1889 tornara-se possível construir o viaduto que fora inaugurado, no dia 6 de dezembro de 1892, pelo governador Bernardino de Campos. No piso, largas tábuas de pinho do Paraná. A parte metálica veio toda da França. Com enorme vocação para cobranças de taxas, logo criaram uma para quem quisesse atravessar o viaduto teria de pagar 60 réis. Somente com a construção do Teatro Municipal, na década de 20, a cobrança do pedágio foi extinta. Duas vêzes remodelado, e, entre todos os viadutos paulistanos, é ele o que mais se identifica com a história da cidade.
Barão de Itapetininga:
A baronesa de Tatuí casara-se com um cadete conhecido pelo nome de cadete Santos, Jooaquim José dos Santos-, ele então grande proprietário, capitalista, e o verdadeiro dono de todo aquele pedaço de São Paulo. Toda colina do Chá era dele. Como conseguiu as terras ninguém sabe. O que se sabe é que no ano de 1864 acabou sendo agraciado pelo Imperador com o título de Barão de Itapetininga. Depois da renhida demanda, acabaram invadindo a chácara do cadete, afim de que lá fosse construído um inadiável melhoramento. Daí o nome da rua.
Teatro Municipal: O prédio mais suntuoso da cidade, o Teatro Municipal foi inaugurado em 12 de setembro 1911, uma terça-feira com a representação da Ópera 'Hamlet' pela companhia de Tita Rufo. A Comissão Construtora, sob direção de Francisco Ramos de Azevedo, 1851-1928-, e os irmãos cenógrafos Cláudio e Domiciano Rossi. O teatro passou por várias reformas, teve toda acústica e sistema elétrico trocados em 1952. O terreno pertencia ao coronel Antônio Proost Rodovalho, e fora desapropriado por 694 contos de réis. [ Francisco Martins ]
  Autor:   Foto: Arquivo F&M


  Mais notícias da seção TUNEL DO TEMPO no caderno CONTANDO HISTÓRIAS
01/09/2005 - TUNEL DO TEMPO - DAVID MOREIRA CALDAS
Jornalista, professor, político e escritor, nascido em Barras e falecido em Teresina (1836 - 1879). Em 1868, funda o jornal - " O Amigo do Povo", que passa a ser chamado de " Oitenta e Nove", a partir de 1873, prevendo profeticamente o advento da República. Discriminado, perseguido e injustiçado, faleceu paupérrimo. Proibido de ser sepultado no cem...
17/08/2005 - TUNEL DO TEMPO - TV Paulista A "mãe" da Globo
A TV Paulista, foi a antecessora da Globo nos anos 60. Com o surgimento da TV Globo carioca, o grupo de Roberto Marinho precisava de uma emissora em São Paulo para formar a sonhada rede. Acabou comprando-a. Suas transmissões foram iniciadas em 14 de março de 1952, e os primeiros programas foram telenovelas, como Helena, com Paulo Goulart e "Casa de...
10/06/2005 - TUNEL DO TEMPO - SP notas
Oito décadas passadas, era precisso atravessar o Rio Pinheiro em uma balsa para chegar ao bairro do Butantã. Somente em 1928 foi construída a Ponte Cidade Jardim, ligando as duas margens do rio e, proporcionando a chegada de transporte público à região. Com o intuito de facilitar a locomoção de seus funcionários, o Instituto Butantan fabricou um ô...
27/05/2005 - TUNEL DO TEMPO - O PAÇO MUNICIPAL
Em 1575 a Casa do Conselho e o Cárcere estavam instalados numa casinha de taipas coberta com sapé. Depois de várias vezes consertado e reformado, o Paço Municipal foi instalado, em 1619, em prédio "comprado a Francisco Ruiz Velho, por quarenta mil réis, metade em dinheiro, dez em gênero alimentício e dez mil réis como valor dos chãos da cadeia ve...
10/05/2005 - TUNEL DO TEMPO - MEMÓRIA Brasileira
GONTIJO "Repórter Esso" TEODORORio - Gontijo Teodoro, que apresentou o cultuado telejornal "REPÓRTER ESSO" por mais de 19 anos, faleceu na madrugada do dia 5 de setembro - 2003 , em sua casa , no bairro de Copacabana. Aos 78 anos. O apresentador foi vítima de um infarto. Nascido na cidade de Araxá -MG, iniciou sua carreira como locutor da Rádio Ba...
07/05/2005 - TUNEL DO TEMPO - A PRIMEIRA EXPOSIÇÃO DE SÃO PAULO
" A primeira exposição de São Paulo, foi denominada de Exposição provincial e ocorreu em um dos lugares mais impróprios para tal, à cargo da Associação Comercial e Agrícola de São Paulo. Em 25 de janeiro d 1885, na biblioteca da faculdade de Direito ocorria a primeira exposição no estado de São Paulo e, marcava o inicio das atividades da Associação...
19/09/2005 - TUNEL DO TEMPO - IMAGENS, MEMÓRIAS E PROGRESSO
Uma cidade de ruas estreitas, a maioria iluminadas a gás e cortada por pequenos bondes a burro. São Paulo foi assim até 7 de maio de 1900, quando o primeiro bonde elétrico partiu do largo de São Bento até a Barão de Limeira e causou um verdadeiro espanto na multidão que foi vê-lo passar. Depois desse dia, a cidade de São Paulo nunca mais foi a mes...
09/03/2005 - TUNEL DO TEMPO - PRAÇA DA REPÚBLICA
Chegando à praça de touros, José Venâncio ainda conservava um raro bom humor... saboreando conscientemente a expectativa de aplaudir um conterrâneo. O odor da t...
06/05/2005 - TUNEL DO TEMPO - COLISEU: A ARENA SANGRENTA
A estrutura do Coliseu continua sendo uma das mais importantes do mundo, com uma história à altura, embora para a maioria essa história seja obscurecida por inverdades. Até recentemente a palavra "Coliseu" jamais tinha sido ou vida. A palavra Coliseu evocava uma arena poeirenta e turbulenta, onde leões devoravam pacíficos cristãos e...
10/09/2005 - TUNEL DO TEMPO - MEMÓRIA BRASILEIRA - QUEM SOU ?
João Ribeiro de BarrosNascido em Jaú / SP, a 4 de abril de 1900, aviador, depois de cursar a Faculdade de Direito durante dois anos, em 1919, iniciou nos Estados Unidos, estudos de Engenharia Mecânica. De volta ao Brasil em 1921, fez o curso de Aviação da Escola Civil de Campinas. No dia 21 de fevereiro de 1923, recebeu na "Ligue Internationale des...
02/03/2005 - TUNEL DO TEMPO - SÃO PAULO NAS ONDAS DO RÁDIO
O fascinante mundo do rádio ou da radiodifusão no Brasil, teve início no ano de 1922, no Rio de Janeiro. Por ocasião das comemorações do centenário da independência, em col...
01/03/2005 - TUNEL DO TEMPO - OS BONDES DE SANTOS
Santos- Brasil: Tudo começou em 1864 com a iniciativa do italiano Luigi Massoja que introduziu em Santos os carros urbanos puxados à tração animal (segunda no País, depois do Rio de Janeiro), com a criação de uma sociedade denominada Serviço Regular de Gôndolas. Seis anos...
01/03/2005 - TUNEL DO TEMPO - UM NOVO RECOMEÇO
Os bondes de Santos contavam com um dispositivo de freios a mais que os outros lugares: um sistema elétrico. Outra inovação santista foi a alavanca, peça de contato com a rede elétrica, que era chamada de lira. Em 21 de dezembro de l951, é formado o Serviço Municipal de transporte Coletivo - SMTC. Em 1956, muitos dos bondes abertos passam a ser ...
06/05/2005 - TUNEL DO TEMPO - Capital faz 451 anos de doces memórias
"A POPULAÇÃO DESCONFIAVA DE QUE AS LUZES PODERIAM CAUSAR MAL À VISTA. COM MEDO DE INCÊNDIOS, E PARA VEREM AS ESTRELAS, ENCAMINHAVAM MILHARES DE CARTAS À LIGHT SOLICITANDO O DESLIGAMENTO DOS POSTES À NOITE". O ano de 2004 foi todo dedicado às comemorações dos 450 anos da cidade de São Paulo. Pipocavam comemorações em todas regiões. O tempo não pára...
23/02/2005 - TUNEL DO TEMPO - 9 DE JULHO: ORGULHO DOS PAULISTAS
Sob os acordes da música Paris Belfort, São Paulo relembrou nesta sexta-feira, dia 9, os 72 anos da Revolução Constitucionalista de 1932. A população que compareceu ao Ma...
23/02/2005 - TUNEL DO TEMPO - MUSEU NACIONAL DE BELAS ARTES
Do Colonial à Contemporaneidade Momentos significantes da arte no Brasil produzido no período colonial à contemporânea está presente na coleção do M.N.B.A., no Rio de Janeiro. O Museu Nacional de Belas Artes é o principal por sua história e posição na produção artística e cultural brasileira. Por estar ao lado da Biblioteca Nacional e em frente a...
13/05/2005 - TUNEL DO TEMPO - CLÓVIS BEVILÁCQUA
Nascido a 4 de outubro de 1859, em viçosa, no Estado do Ceará, este oriundi tornou-se um dos maiores juristas brasileiros de todos os tempos. Por ironia, seu território natal ávido e seco aguçou a sua sensibilidade que, logo deixou de exercer a função de promotor público. Filho de um comerciante e deputado, que nas horas vagas fazia pequenas cirurg...



Capa |  ARTES PLÁSTICAS  |  ARTESANIA  |  ATUALIDADES  |  CARANGO  |  CHARGE  |  CINEMA ANTIGO  |  CLÁSSICA  |  CONTANDO HISTÓRIAS  |  CRÉDITOS  |  CULTURA  |  DEAD ROCK  |  DISCOS / SHOWS  |  EDITORIAL  |  EXPOSIÇÕES  |  F&M FEMININA  |  F&M WORLD  |  FILMES EM CARTAZ  |  FOTOTECA  |  GALERIA VISCONDE  |  GIGANTES DO JAZZ  |  IMPRENSA  |  LITERATURA  |  MAURÍCIO CARDIM  |  MPB  |  MUSEUS  |  PARCERIAS  |  PERSONALIDADES  |  PINTORES  |  PORTFÓLIO  |  PROJETOS  |  QUEM SOMOS  |  RÁDIO  |  REDAÇÃO  |  SAÚDE  |  SPcentro  |  TEATRO  |  TELEVISÃO  |  TENDÊNCIAS  |  TVZONA
Busca em

  
754 Notícias